Projeto ‘Sou Negra e Quero falar!’ promove formação de produtoras de conteúdo de todo país

Youtubers participam do projeto Sou Negra e Quero Falar! — Foto: Débora Prado/Associação Artigo 19Youtubers participam do projeto Sou Negra e Quero Falar! — Foto: Débora Prado/Associação Artigo 19

Youtubers participam do projeto Sou Negra e Quero Falar! — Foto: Débora Prado/Associação Artigo 19

“É importante eu me sentir representada, me perceber e me ver nas mídias alternativas. É ocupar esse espaço de fala, além de mantê-lo”, disse a jornalista, historiadora e blogueira Lívia Teodoro, idealizadora do projeto “Sou Negra e Quero falar!”. A iniciativa está promovendo a formação profissional de dez youtubers negras de todo o país.

Trinta criadoras de conteúdo, que abordam temas como machismo, racismo e homofobia, foram selecionadas para participar das oficinas. Segurança digital, planejamento de mídias e produção de vídeo são abordados dentro de sala de aula.

“O sucesso, ele raramente vem com a sorte. É preciso muito trabalho. Não basta ter uma ideia bacana e não saber se expressar. Tem que estudar, ter embasamento. É preciso produzir um material de qualidade. Por isso é importante pensar na qualidade do áudio, na edição. Isso é fundamental”, disse Lívia.

Blogueira Lívia Teodoro é a idealizadora do projeto Sou Negra e Quero Falar! — Foto: Lívia Teodoro/Arquivo pessoalBlogueira Lívia Teodoro é a idealizadora do projeto Sou Negra e Quero Falar! — Foto: Lívia Teodoro/Arquivo pessoal

Blogueira Lívia Teodoro é a idealizadora do projeto Sou Negra e Quero Falar! — Foto: Lívia Teodoro/Arquivo pessoal

Esta edição conta com o apoio da Associação Artigo 19, uma agência não-governamental de Londres, que atua na defesa dos Direitos Humanos, e ainda é financiada pela Embaixada do Canadá. Jovens de Brasília, Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo estão participando. As oficinas começaram nesta quinta-feira (10) e vão até sábado (12).

A próxima edição do projeto vai acontecer em maio e já está recebendo inscrições. Ela será viabilizada graças aos recursos do Fundo Frida, que patrocina projeto de jovens feministas ao redor do mundo.

“Temas sensíveis como história, racismo e feminismo negro estão sendo cada vez mais discutidos, mas a representatividade ainda é pequena. Eu enxergo um nicho importante, um nicho que vem crescendo, um nicho capaz de nos dar voz”, falou Lívia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s