A semana nacional de combate à intolerância religiosa

Por Rozangela Silva para o Portal Áfricas

Lehaká Kessem, entre outros, para um grande encontro.Somente no primeiro semestre de 2018 os números de casos de intolerância religiosa chegaram a 210, de acordo com o Ministério dos Direitos Humanos. No Rio, no mesmo período as ocorrências cresceram 56% e as religiões de matrizes africanas registraram a maior parte das denúncias segundo a Secretaria Estadual de Direitos Humanos. Sendo assim, na conjuntura atual, a movimentação se faz fundamental pela defesa e permanência de um Estado laico. E o combate à intolerância é ferramenta essencial para que a liberdade religiosa seja assegurada.

“O dia 21 de janeiro, assim como o 13 de maio, não é para nos um dia de comemoração. Mas sim, um dia de luta  e reflexões sobre os processos de cerceamento  religioso que vem assolando a nossa sociedade e privando pessoas do convívio familiar  e inteiração com o seu ambiente religioso. Mãe Gilda vive é o alimento das nossas resistências cotidianas”, argumenta Ivanir dos Santos – interlocutor da CCIR.

SAIBA MAIS.:  Saiba mais sobre o Museu da História e da Cultura Afro-Brasileira

Diante desta realidade, o CEAP e a CCIR em parceria com outras instituições e junto de diversas comunidades religiosas, preparou uma semana de combate à intolerância religiosa com uma programação variada incluindo encontro de mobilização, seminário, festival e muita cultura.

➡ 21 de janeiro – Dia Nacional do Combate à Intolerância Religiosa, no ASA.
Mostra do DVD da 11ª Caminhada de Combate à Intolerância Religiosa / Apresentação do Grupo Cultural do Segmento Hare Krishna / Lehaká Kessem – Comunidade Judaica e do grupo Cultural Afro Orúmmila.

“Conscientizar a comunidade da importância do respeito ao direito do outro professar outra religião. Importante encontro para mostrar a cultura e costumes de varias religiões”, alega Paulo Maltz – Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro.

Segunda-feira, das 19h às 22h. No ASA – Associação Scholem Aleichem (Rua São Clemente, 155 – Botafogo). Aberto ao público

SAIBA MAIS.:  Manifestantes pedem justiça após morte de jovem por segurança

➡ 24 de janeiro – II Seminário Liberdade Religiosa, Democracia e Direitos Humanos, no IFCS.
Mesa 1: Religiões nos Meios de Comunicação. Das 8h30 às 10h. Com mediação: Pastora Lusmarina Garcia (Doutoranda em Direito pela UFRJ), Profª. Drª. Diane Kuperman (UERJ), Bárbara Pereira (Jornalista), Clarissa Monteagudo (Jornalista) e Yango (Promoter Mídia Afro).
Mesa 2: Religiões no Campo dos Direitos. Das 10h30 às 12h. Com mediação: Dr. Henrique Pessôa. Debate com Profª Drª Ana Paula Miranda e Profº Dr. Jorge da Silva. Drº Fabiano Prestes (DPU), Inspetora de Policia Claudia Otília (DECRADI)
Mesa 3: Culturas Afro-diaspóricas no Combate à Intolerância Religiosa e ao Racismo. Das 14h às 15h30. Mediação: Profª. Drª. Helena Theodoro. Com Drº. Martinho da Vila, Silvan Galvāo e Prof°. Dr°. Renato Mendonça B. da Silva.
Mesa 4: Política, Religião e Diálogo Inter-Religioso. Das 16h às 18h30. Mediação: Profª Drª Carolina Rocha – Com Profª. Drª. Christina Vital, Profº. Dr. Babalawô Ivanir dos Santos e Dr. Paulo Baía.

SAIBA MAIS.:  Por que demoramos 50 anos para ter uma âncora negra no Jornal Nacional?

“Tem por objetivo trazer para o ambiente acadêmico reflexões sobre a intolerância religiosa nos meios de comunicação, na cultura, na esfera dos direitos. Por isso, procuramos convidada pessoas dentro e fora do ambiente religioso para dialogar sobres esses temas”, atesta Ivanir dos Santos.

Quinta feiras, das 8h às 18h. No IFCS/UFRJ – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. No Largo São Francisco de Paula, nº 1  – Centro. Aberto ao público.

Inscrições: http://bit.ly/participedaliberdade

baile black bom
Carolina Rocha
Fabiano Prestes – defensor público federal
foto awure
Helena Theodoro
Ivanir dos Santos – foto de brunno rodriguês
kleber Lucas
Mario Broder
Martinho da Vila – foto de leo aversa
Mestre Kotoquinho
Tunico da Vila – foto de lucas sandonato
Yango – agen afro

Deixe uma resposta