Evandro Fióti revela caso de racismo no Lollapalooza

O músico, estilista e empresário Evandro Fióti, relatou em suas redes sociais na noite de sábado, dia 06, um caso de racismo sofrido no segundo dia do festival Lollapalooza, que acontece em São Paulo. De acordo com o artista, um segurança da banda Kings of Leon foi o responsável pelas ofensas que culminou em briga.

O episódio teria começado quando Fióti, que estava assistindo ao show da banda estadunidense, decidiu ir embora do evento. Ele estava com sua companheira e com a pulseira que permite acesso ao backstage. No entanto, foram barrados. “O segurança da banda começou a levantar a voz e me xingar em inglês”, desabafou no twitter.

SAIBA MAIS.:  Mortes de jovens negros por arma de fogo crescem 428% em 20 anos
Evandro Fióti relatou caso de racismo e briga com segurança da banda Kings Of Leon

O artista, que é irmão do rapper Emicida, conta que o segurança do Lollapalooza não entendia o que estava sendo dito. Porém, ele entendeu exatamente. “O cara veio pra cima de mim, me xingou de macaco, eu revidei e dei uma voadora acertei o segurança errado. O segurança do Lolla defendeu os caras porque eram a banda do Festival. Eu pedi desculpas e disse que ele não entendeu uma virgula do que o cara me ofendeu”,
continuou o empresário.

SAIBA MAIS.:  Dentista é condenada por racismo: “Não me interesso por gente que nunca chegará ao meu tom de pele”

Nesse momento, Fióti e sua companheira foram impedidos de terem acesso ao backstage para irem embora. Foi quando questionou, já que estava com a pulseira que permitia a passagem pelo local, mas foi empurrado pelo segurança aumentando a confusão. “Até quando essa porra desses gringos racista vão ter passe livre nesse País pra agirem como bem entendem? Eu não suporto esse estigma de vira-lata e a gente não pode mais permitir. Racista não vai ter vez!!”, declarou Fióti.

Vale lembrar, que essa não é a primeira vez que o rapper é vítima de racismo por parte de segurança de eventos, cujo o público majoritário é composto por pessoas brancas de classe média. Em 2017, ele relatou que foi barrado no São Paulo Fashion Week, mesmo sendo o dono da LAB Fantasma, uma das marcas com o desfile mais aguardado da semana de moda. “Ser preto é ser barrado pelo segurança do evento até mesmo quando é da sua marca e com pulseira”, escreveu na ocasião.

SAIBA MAIS.:  Ninguém solta mão de ninguém? Reflexões sobre racismo em escola construtivista de Laranjeiras

Notícia Preta

Deixe uma resposta