Fotografias retratam resistência de povos tradicionais na luta por território

Comissão Pastoral da Terra lança em Minas exposição itinerante com 150 retratos da vida de indígenas, quilombolas e camponeses captados entre 2012 e 2018; na USP, Museu de Arqueologia reúne imagens de três etnias

por Priscilla Arroyo, em De Olho nos Ruralistas

As comunidades tradicionais do Brasil – indígenas, quilombolas e camponeses – têm o cotidiano permeado pela resistência. A luta para conquistar e defender seus territórios e, por consequência as suas tradições, faz parte da rotina dessas minorias. Ao longo das últimas décadas, a vida desses povos foi documentados por meio da fotografia. Tal acervo, produzido por antropólogos, fotógrafos e membros dos próprios grupos, contribui para fomentar a justiça e a dignidade em meio às lutas. 

A importância das imagens é contemplada pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), que lança nesta quarta-feira (05) a exposição fotográfica itinerante “Raiz e Resistência: comunidades tradicionais e territórios de vida”. São 150 imagens captadas entre os anos de 2012 e 2018 que mostram o cotidiano de centenas dessas pessoas, que carregam a palavra resistência de maneira intrínseca à existência.

O lançamento da exposição acontece em Diamantina (MG) como parte da 7ª Semana da Integração Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Depois do dia 8 de junho, essas imagens – que retratam momentos de enfrentamentos e violências decorrentes de conflitos agrários​, cenas cotidianas e a relação com a natureza – irão circular por comunidades camponesas acompanhadas pela CPT na Bahia, em Minas e Pernambuco.

A foto principal desta reportagem é de João Zinclar, um profissional que ficou conhecido pelos retratos do universo camponês. A mostra traz, ainda, fotos do acervo da pastoral e depoimentos de membros das comunidades.

SAIBA MAIS.:  Povos tradicionais e extrativistas traçam estratégias de resistência em defesa do Cerrado

ETNIAS EXPÕEM IMAGENS EM MUSEU DE ARQUEOLOGIA

Além de serem retratados, os povos das florestas também produziram – em menor quantidade –  imagens próprias. Assim, eles têm a chance de mostrar para o mundo como se veem. Essa percepção pode ser conferida na exposição “Resistência Já! Fortalecimento e União das Culturas Indígenas – Kaingang, Guarani Nhandewa e Terena“, que fica em cartaz até o dia 18 de julho no Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da Universidade de São Paulo (USP).

Trata-se de uma mostra colaborativa, na qual os próprios grupos fizeram a curadoria dos objetos expostos mesclando fotografias próprias, de pesquisadores e objetos do acervo do MAE. A exposição conta, ainda, com uma participação ainda mais direta dos indígenas. No dia 14 de junho, o grupo Terena estará na USP das 14 às 18 horas fazendo apresentação de suas danças, artesanato e pintura corporal.

Coordenada pela professora Marília Xavier Cury, a mostra tem o objetivo de atender a três reivindicações dos indígenas: falar por si, buscar retorno sobre o que foi feito com os objetos coletados de seus ancestrais e mostrar quem eles são hoje, uma vez que suas histórias costumam ser contadas levando em conta apenas o passado.

SAIBA MAIS.:  Quem Samba Fica recebe convidados para aniversário de 10 anos da roda

Ao mesmo tempo em que narrativas sobre os indígenas podem ter viés de preconceito, algumas iniciativas históricas ajudaram povos a terem as suas lutas retratadas, o que refletiu na melhora de suas condições. Um exemplo é o trabalho da fotógrafa suíça Claudia Andujar com os Yanomami, que se tornou forte instrumento de conscientização sobre a importância da garantia do território dessa etnia na Amazônia.

FOTOS DENUNCIARAM ATAQUES AOS YANOMAMI

Claudia registrou a comunidade pela primeira em 1971 para a extinta revista Realidade. A partir de então, construiu uma relação de afeto com os indígenas, que se tornaram a sua nova família, substituindo os parentes mortos na Segunda Guerra. Suas fotos denunciaram as condições de vida dos Yanomami após o contato com garimpeiros e com trabalhadores de empreiteiras, em meio ao plano de “desenvolvimento da Amazônia” durante o governo militar.

As séries de fotografias que ela produziu nessa época foram reunidas pela Comissão de Criação do Parque Yanomani (Comissão Pró-Índio) e se transformaram na instalação “Genocídio Yanomami: Morte no Brasil” (1989). O título não é um exagero: a interferência do homem branco nas comunidades introduziu um rastro de doenças, violência e poluição. Centenas de indígenas morreram.

SAIBA MAIS.:  Samba da Cantareira e da Pracinha recebem Nelson Rufino para a roda

Uma seleção de fotos de Claudia Andujar resultou em uma segunda versão, em 2018. O manifesto audiovisual em 16 telas foi apresentado em abril no Instituto Moreira Salles, em São Paulo

Além de caráter de denúncia, a técnica de captura de imagens de Claudia, que muitas vezes utilizava filmes vencidos, revelou o universo mítico dos Yanomami. Um dos conjuntos mais impactantes dessa face de sua obra foi o registro das festas reahu, complexas cerimônias funerárias e de aliança intercomunitária, marcadas por ritos específicos e pela fartura de comida.

Para traduzir a relação entre o que ela via e a dimensão mística dos rituais, Claudia Andujar desenvolveu experimentos fotográficos, com flashes, lamparinas e filmes infravermelhos. As imagens evidenciaram de maneira única o universo espiritual dos indígenas, dando forma concreta a um mundo abstrato. 

Deixe uma resposta