Geovana: financiamento coletivo para o CD ‘Brilha Sol’

Após mais de 30 anos longe dos estúdios e com 70 anos de vida, a compositora e cantora Geovana está em fase de preparação de seu novo CD, “Brilha Sol”. Para viabilizar a produção da obra, o sambista lança uma campanha de financiamento coletivo.

As recompensas vão desde CDs autografados até ingressos para o show de lançamento em São Paulo; as cotas custam entre R$15 e R$15 mil e podem ser adquiridas até às 23h59m59s do dia 11 de abril de 2019.

Geovana lança campanha de financiamento coletivo

O trabalho também contará com o apoio dos músicos do Conjunto Tataruê, grupo que acompanha Geovana nos últimos anos, e também terá participações especiais de nomes consagrados e importantes da música brasileira como: Adelzon Alves, Fabiana Cozza, Luiz Grande (in memoriam) e Curumin.

Mais sobre Geovana 

Conhecida nas décadas de 1970 e 80 por seu talento como compositora, Maria Teresa Gomes nasceu na Tijuca, no Rio de Janeiro, no ano de 1948 e ficou conhecida artisticamente como Geovana. Cresceu no Morro do Laboriaux, na Rocinha, e aprendeu com a família os toques do candomblé, seguindo no caminho da música e despontando como vencedora na Bienal do Samba com a música de sua autoria “Pisa nesse chão com força”, no ano de 1971.

SAIBA MAIS.:  Deise Nunes Ferts miss Brasil 86 confirma presença no Troféu Raça Negra 2019

Geovana ficou conhecida por ser “A Deusa Negra do Samba Rock” a partir do sucesso do seu primeiro LP, gravado em 1975, “Quem tem carinho me leva” (imagem abaixo). Ao longo da sua trajetória, a artista teve músicas gravadas por nomes importantes como, por exemplo, Clara Nunes, Wilson Simonal e Martinho da Vila e participou de importantes momentos históricos como os encontros e apresentações do Teatro Opinião, no Rio de Janeiro, no final da década de 1960.

SAIBA MAIS.:  Confira a programação do Bar do Zeca Pagodinho em novembro

É de sua autoria clássicos do cancioneiro popular como “Irene”, canção que ganhou fama na interpretação do conjunto Fundo de Quintal, e “Beijo Sabor Cerejeira”, um clássico do samba-rock, do qual Geovana se tornou uma referência, assim como do partido alto, subgênero do samba.

Após a gravação do seu segundo trabalho solo, em 1987, Geovana caiu no esquecimento e ostracismo. No início dos anos 2000, a cantora mudou-se para São Paulo, onde começou a trabalhar como segurança numa casa noturna no centro da cidade. Foi neste período que a compositora restabeleceu laços e se aproximou do Batalhão da Vagabundagem, movimento de samba paulistano, e também do Coletivo Sindicato do Samba, grupo que iniciou um processo de reestruturação pessoal e da carreira de Geovana.

SAIBA MAIS.:  Rádio online estreia estúdio no Bar Samba e comemora 29 milhões de acessos

Confira o vídeo da campanha: 

  • Para celebrar o Mês da Mulher, o Samba em Rede presta homenagens diárias a personagens do gênero feminino que nos inspiram. Saiba mais sobre a campanha e leia outros perfis aqui.

Veja também: Geovana: ‘A gente faz porque gosta e não tem medo de nada’

Deixe uma resposta