Investigação de TV aponta que James Brown pode ter sido assassinado

Reportagem da CNN entrevistou 140 pessoas e analisou documentos que levantam suspeita de homicídio do cantor e de sua 3ª mulher. Morte de Brown foi registrada como insuficiência cardíaca, em 2006.
Fonte: G1
06/02/2019

                O cantor James Brown durante show em Praga, em novembro de 2006 — Foto: AFP

Uma investigação liderada pela emissora americana CNN e divulgada nesta quarta-feira (6) aponta indícios de que a causa da morte do cantor James Brown, em 2006, pode ter sido um assassinato.

A rede de TV entrevistou quase 140 pessoas e analisou milhares de páginas de registros policiais e judiciais, além de testes forenses e mensagens de texto.

SAIBA MAIS.:  Leo Russo recebe Serginho Madureira para roda em São Paulo

Brown, uma das figuras mais influentes da história da música dos EUA, morreu numa manhã de Natal, aos 73 anos, após uma curta pneumonia. A causa oficial registrada foi insuficiência cardíaca.

Mas Jacque Hollander, uma artista de circo que diz ter trabalhado com o cantor nos anos 1980, apresentou à CNN documentos que levantam suspeitas sobre as mortes de Brown e de sua terceira mulher, Adrienne, morta em 1996 por uma overdose acidental de analgésicos, segundo relatório médico.

SAIBA MAIS.:  Charanga do França promove arraial na Cervejaria Tarantino

Hollander diz ter sido estuprada por Brown em 1988 e, embora nunca tenha denunciado o cantor, diz ter reunido evidências relacionadas a ele ao longo de 30 anos. As declarações dela deram início à investigação da emissora, em 2017.

Desconfiança de médico
O médico que assinou o atestado de óbito de Brown também foi entrevistado pela CNN. Ele revelou desconfiança sobre a rápida deterioração do cantor.

“Ele mudou muito rápido”, contou Marvin Crawford. “Era um paciente que eu nunca teria previsto com esse quadro… Mas ele morreu naquela noite, e eu levantei a questão: o que deu errado naquela sala?”.

SAIBA MAIS.:  Charanga do França promove arraial na Cervejaria Tarantino

O médico também relatou que uma enfermeira encontrou resíduos de drogas em um tubo de respiração usado por Brown. Ele disse que “alguém poderia ter dado a ele uma substância ilícita, que levou à sua morte”.

Crawford lembrou ter recomendado uma autópsia no corpo do cantor, o que teria sido recusado por uma de suas filhas, Yamma.

De acordo com a CNN, ao menos 11 pessoas chegaram a pedir uma nova investigação policial sobre a morte da lenda do soul, incluindo LaRhonda Pettit, também sua filha.

Carlos Romero

Deixe uma resposta