Mackenzie expulsa estudante que gravou vídeo armado e ameaçou matar negros

Por Ivan Longo | Revista Forum

Pedro Baleotti, eleitor de Jair Bolsonaro, divulgou um vídeo no dia da votação do primeiro turno em que aparece armado e proferindo ameaças de cunho racista; à época, estudante de Direito perdeu o estágio e foi suspenso pela universidade que, agora, ao término da sindicância, optou pela sanção disciplinar máxima, que é a expulsão

Foto: Reprodução
  

A Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo, expulsou um estudante de Direito que, em outubro, apareceu em um vídeo de cunho ameaçador e racista. A expulsão foi divulgada pelo coletivo negro da instituição, o Afro Mack.

https://web.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fweb.facebook.com%2FAfromack%2Fposts%2F933617763494086&width=500

Em 28 de outubro, dia da votação do primeiro turno da eleição presidencial, o estudante Pedro Baleotti divulgou um vídeo anunciando que estava indo votar em sua cidade, Londrina (PR),  “armado com faca, pistola, o diabo, louco pra ver um vadio, vagabundo com camiseta vermelha e já matar logo”. “Essa negraiada vai morrer! Vai morrer! Capitão, levanta-te, o povo brasileiro precisa de você”, dizia, em referência ao presidente eleito Jair Bolsonaro. Nas imagens, inclusive, Blaeotti aparece vestindo uma camiseta com uma foto do capitão da reserva.

SAIBA MAIS.:  Brasil atinge maior nível histórico de assassinatos, aponta Atlas da Violência. E 75,5% são de negros

Ao tomar conhecimento do fato, à época, a universidade divulgou uma nota informando que “tais opiniões e atitudes são veementemente repudiadas”, suspendeu preventivamente o aluno e anunciou a abertura de uma sindicância para apuração e aplicação das sanções cabíveis, conforme dispõe o Código de Decoro Acadêmico da Universidade. Baleotti também foi demitido do escritório de advocacia em que fazia estágio.

Os estudantes do Mackenzie, então, começaram a fazer pressão para que o aluno fosse expulso através de atos e manifestações e, nesta semana, finalmente, a instituição optou pela sanção máxima, que é a expulsão.

SAIBA MAIS.:  Brasil atinge maior nível histórico de assassinatos, aponta Atlas da Violência. E 75,5% são de negros

“Agradecemos todos que endossaram a luta, que compareceram aos protestos e se indignaram com o racismo presente na ação do aluno. Pedimos que continuem a se indignar e apoiar pessoas e coletivos negros (as). A referida decisão demonstra a seriedade e o compromisso da universidade no combate ao racismo. O que é de suma importância não somente para comunidade mackenzista, mas para toda sociedade”, escreveu o coletivo Afro Mack em uma nota divulgada pelas redes sociais, que acompanha trecho de um parecer do Ministério Público do São Paulo que confirma a expulsão.

SAIBA MAIS.:  Brasil atinge maior nível histórico de assassinatos, aponta Atlas da Violência. E 75,5% são de negros

O parecer do MP, que Fórum teve acesso, determina o arquivamento de um processo aberto a partir de representações da Educafro e do PT  contra o estudante. Em sua decisão, o promotor de Justiça de Direitos Humanos, Eduardo Ferreira Valerio, considera que o caso não vislumbra racismo institucional, mas sim, conduta individual, e já foram tomadas providências “suficientes”, como o desligamento da universidade. Confira a íntegra do documento aqui.

O Mackenzie ainda não divulgou nota pública sobre o caso.

Deixe uma resposta