Ninguém solta mão de ninguém? Reflexões sobre racismo em escola construtivista de Laranjeiras

Por Siron Nascimento – Jornalista

Uma menina de 6, 7 anos sofreu por dois anos com atitudes racistas de seus colegas de turma na Edem, escola dos descolados de esquerda da zona sul carioca. Comentários do tipo “é pretinha, deve ser pobre” ocorreram algumas vezes. Os pais tentaram conversar com escola, medidas concretas não foram tomadas pelo corpo pedagógico, que nem ao menos chamou os responsáveis das crianças que estavam praticando racismo.

A menina não aguentou, os pais a tiraram da escola e fizeram uma carta aberta, expondo o que aconteceu com sua filha. A Edem respondeu com uma carta-pano: uma tentativa de limpar a barra da omissão da escola (coordenação e sua comunidade). O assunto chegou às páginas dos jornais e a polêmica foi instaurada.  O que a escola fez ou deixou de fazer?

Em primeiro lugar, criança não é racista, ela reproduz racismo; assim como não é homofóbica nem machista. Ela está na sociedade e reproduz/verbaliza aquilo que enxerga, sente. A escola, como instituição de construção de aprendizado, deve se esforçar ao máximo pra combater preconceitos. Não é um dia especial, um trabalho de arte ou de dança folclórica que resolve. A luta é diária e deve ser de todos: do porteiro ao diretor; na sala de aula, no recreio e nas aulas extras; nos murais e oficinas.

SAIBA MAIS.:  Bilionário pagará dívida estudantil de formandos negros

Quando uma criança diz que alguém deve ser pobre pq é preta, ela está descortinando o que a sociedade brasileira tenta esconder; está falando o que vê. Pro bom educador, é um prato cheio pro debate profícuo; mas quem só olha números fica com medo disso gerar desgaste.

Se tem algo que ofende um branco tanto quanto, ou mais, do que acusar de corrupto, é chamar de racista. Moramos num país racista sem racistas. Coisa nossa.

SAIBA MAIS.:  Sesc Copacabana recebe a primeira Cia de dança negra contemporânea do Brasil

Tornou-se lugar comum dizer que o racismo estrutural é culpa da escravidão, abolida há mais de 120 anos. É quase um “lavar as mãos”: ninguém assume; colocamos a culpa no passado e convivemos com o racismo como se fosse algo inevitável, e imutável. Além do nosso alcance.

Escola Edem, em Laranjeiras, no Rio de Janeiro

Até quando vamos colocar a culpa no passado e deixar de ver o nosso papel no racismo estrutural? O papel do sujeito de hoje, que trabalha, tem família, amigos, e comete racismo? Já não há mais lugar pra esconder o preconceito.

Fica ainda a reflexão: passar pano para casos assim não colabora com os 111 ou 80 tiros de fuzil em carros de pretos? Não legitima o silêncio da Dilma, no primeiro caso, ou a canelada do Bolsonaro no caso recente?

A Edem é uma escola de posicionamentos progressistas firmes, fundamentais em tempos de “Escola sem partido”. Meu filho estudou lá e aos 8 gritava: “machistas, fascistas, não passarão”. Em conversa com amigos, cujos filhos estudam lá, pude perceber uma preocupação genuína com a exposição do fato, e isso servir para linchamento público da escola.

SAIBA MAIS.:  Semana África em São Paulo inicia-se na Feira do Sindiartes

Mas não devemos entender a exposição do caso como linchamento, mas sim como demonstração de que a sociedade está atenta e não tolera mais racismo. A escola não deve se esconder por trás de respostas evasivas e semi-prontas, pois tem agora a oportunidade de colocar em prática o discurso que propagandeia. Tem que ter mais professorxs pretxs, abrir cota para alunxs negrxs, ou seja, ações efetivas de combate ao racismo.

Caso contrário, o “ninguém solta a mão de ninguém” vai precisar de um adendo: desde que essa mão não seja preta.

Notícia Preta

Deixe uma resposta