O “novo” Conceito de Beleza

foto reprodução site portal cultura

Não é novidade aos mortais que o conceito de beleza até pouco tempo estava impresso na publicidade, nas passarelas de moda, nas capas das revistas e nas mídias em geral, e que durante séculos determinaram como padrão de belo pessoas com traços europeus, pouco, ou nada, reconhecidos na beleza dos brazucas, o que restringia esse mercado a alguns pouquíssimos brasileiros miscigenados de descendência europeia. E, neste conceito que por séculos pessoas altas, esguias, brancas e de olhos claros dominaram o mercado da publicidade como sinônimos de serem os mais belos dos belos nos comerciais de margarina. Porém, de uns tempos pra cá, a democrática internet e principalmente o crescimento econômico de pessoas não brancas no movimento Black Money que por sua vez, passaram a investir neste mercado como proprietários de marcas poderosas e assumindo cargos de decisão passaram a introduzir na publicidade, nos grandes desfiles, nas capas de revistas e no marketing da beleza um crescente número de modelos mais próximos a beleza dos brasileiros – mestiços e negros. Fato é, que a democratização de quem influência o olhar do consumidor e dita o que é belo vem sendo o divisor de águas no mercado publicitário e direcionando a moda para uma forma mais simples e sustentável, e os desbravadores Digital Influencers negros vem dando o but na cabeça da moçada black na hora de consumir sob o slogan: “não nos representa, não consumimos”.

Edward Enninful – Editor criativo da Revista Vogue Britânica

E, o conjunto de todas essas ações beneficia a Todos Negros do Mundo pois será caminho sem volta na valorização da beleza nostra.  Outro fator relevante na virada de chave do que é ser belo e comercial é a circulação de grandes capitais nas mãos de astros e estrelas negros que estão investindo neste mercado, e que injetam fortunas na publicidade e desfiles com a introdução de pessoas que os representam, a exemplo da descolada Fenty da belíssima Rihanna, do polêmico porém milionário cantor de rap e estilista Kenye West, o gênio designer de moda Virgil Abloh – diretor criativo da chiquérrima Louis Vuitton e a cereja do bolo nesta virada de conceitos a contratação da revista Vogue Britânica – uma das principais publicações de moda no mundo, de Edward Enninful, homem negro nascido em Ghana , contratado como editor criativo da revista. Reflexo deste movimento é o surgimento do novo belo, desejado e sofisticado, afinal o que movimenta a publicidade é grana na parada, e se a grana está na mão dos negrxs, as portas do mercado publicitário se abrem. E,  para ilustrar a transformação que TNM está se referindo, senhoras e senhores conheçam Anok e Mason – os modelos que são melhores amigos fora das passarelas e que se tornaram símbolo das mudanças do mercado da beleza e sofisticação.

SAIBA MAIS.:  “A maior recompensa foi o empoderamento”:Vitima de racismo ao comprar tênis em 2014, educador recebe indenização do Estado
Anok Yai e Alton Mason – Capa Revista Vogue

Anok Yai chegou chegando do Egito pra causar o início da revolução dos padrões da moda na Europa, e sem cerimônia ou tempo de carreira faz inveja a muita veterana do mundinho fashion por já ter sido capa das principais revistas de moda do mundo e tornando se referência de beleza e sofisticação ao ser a primeira negra a abrir o desfile da grife Prada na semana de moda elitizada e quase esnobe de Paris. E, ao lado de Yai, surge Alton Mason filho de jogador de basquete e dedicado a dança chacoalhou o mundo fashion ao virar história por ser o primeiro modelo negro a desfilar para a marca Chanel – pensa quantas décadas foram necessárias para que um padrão estético começasse a se transformar e uma pessoa não branca pudesse desfilar para uma marca de luxo?

Rihanna – foto reprodução Instagram

Nós, TNM torcemos para que, de fato, seja mudança definitiva e não modismo, afinal consumir moda ou beleza, não é mérito somente de uma raça, atinge a todos os mortais, portanto reconhecer, empregar e valorizar as diversas etnias como representantes do beauty business deverá mexer na balança que poderá equilibrar, não só as oportunidades no ramo da beleza, como em outros nichos corporativos ligados a qualquer setor.  

SAIBA MAIS.:  “Não há segurança de que o ouro do seu anel não seja clandestino”, diz procurador do MPF

Carol Lee Dutra – Graduada em Designer
de Moda.

O post O “novo” Conceito de Beleza apareceu primeiro em Todos Negros do Mundo.

Todos Negros do Mundo

Deixe uma resposta