Primeiro quilombo urbano do país comemora 10 anos de titulação no RS

Localizado em meio a bairro de média alta de Porto Alegre, o Quilombo da Família Silva está em festa neste sábado (09)

Fabiana Reinholz, Brasil de Fato*

Entre as Avenidas Nilo Peçanha e Carlos Gomes, em um terreno de 6,5 mil m², na rua João Caetano, localiza-se o primeiro quilombo urbano do país, que neste sábado (09) celebrará os 10 anos da sua titulação com rodas de capoeira, samba e conversa. Rodeado por condomínios da classe A e B, o Quilombo da Família Silva é o único, dos sete quilombos urbanos da capital gaúcha, a ser titulado. Atualmente vivem ali 22 famílias.

Lígia Maria da Silva, 52 anos, é neta de Naura da Silva e Alípio dos Santos, que na década de 1940, vindos de São Francisco de Paula, chegaram à área, então afastada da cidade. “Quando meu avô chegou aqui, só tinha um pavilhão do colégio Anchieta e um pavilhão do colégio Farroupilha, era tudo mato. Meu avô criava porco, galinha, tínhamos uma vaca. Tirávamos todo o sustento da terra, era bem fácil morar aqui”, conta.

Na época o bairro ainda se chamava Chácara das Três Figueiras. Originalmente, era de chácaras ocupadas por negros alforriados, que construíram suas casas com pouquíssima infraestrutura, mas com um desenvolvimento de seu culto à religião africana.

Foi lá que seus pais, Anna Maria e Euclides José da Silva, se casaram, perto da seringueira que fica no coração do quilombo. Foi lá, também, que tiveram seus 11 filhos, entre eles Ligia. Sete deles ainda vivem no quilombo.

SAIBA MAIS.:  MPF vai acompanhar ação que apura feminicídio de liderança quilombola na Bahia

A partir dos anos 60, teve início a especulação imobiliária no bairro, com o surgimento de centros comerciais e escolas, gerando uma grande valorização. Hoje a área é tida como uma das zonas nobres da capital, com condomínios das classes A e B. Com o apoio de diversas entidades ligadas à União, o quilombo resistiu e conseguiu que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) instaurasse, em 2004, o processo para titular suas terras, o que veio acontecer cinco anos depois.

“Fomos várias vezes à Brasília, várias vezes ocupamos o INCRA para poder ser reconhecido como quilombola, para ter reconhecido o direito a essa terra, e só fomos reconhecidos graças ao presidente Lula, em 2009”, afirma Lígia, recordando das duas vezes em que o então presidente esteve no Rio Grande do Sul.

Na primeira vez, em Porto Alegre, Ligia não conseguiu se aproximar do presidente e jogou um papel escrito: Quilombo pede ajuda. Na ocasião, ele leu o papel e não disse nada. Na vez seguinte, em Sapucaia, as irmãs de Ligia foram com uma faixa pedindo o título para o quilombo da família Silva, “dai ele disse no microfone ‘eu vou dar o título para o Silva porque eu também sou um Silva’. Naquela mesma noite servidores do INCRA e assinaram o título”, narra Lígia.

SAIBA MAIS.:  Movimentos do Tapajós realizam seminário para discutir resistência aos grandes projetos

A titulação, porém, compreende apenas uma parte do território, visto que um dos condomínios vizinhos ocupa uma parte que está dentro da área que era quilombo. De acordo com Ligia, esse pedaço não foi reconhecido pelo INCRA, impossibilitando a comunidade reaver essas terras.

“Sofremos várias ameaças, todo dezembro tínhamos despejo, o último despejo nosso durou 15 dias, com chuva, isso em 2005”, relata Ligia, que diz que desde a titulação as coisas se acalmaram.

Sobre preconceito, diz que existe, mas que também há solidariedade. “A área onde eu moro, no bairro Três Figueiras, tem o metro quadrado mais caro de Porto alegre. Aqui tem muita gente rica morando, eu moro bem em frente da casa do jogador Geromel. Aliás, o condomínio onde o jogador mora nos ajuda muito, no natal, na páscoa, dão presentes para crianças, mas tem outro aqui do lado que faz vista grossa, como se não existíssemos”, aponta. A maioria das mulheres trabalha como empregada doméstica, já os homens como jardineiros, segurança.

Porto Alegre tem mais seis quilombos na capital que aguardam titulação: Areal, Fidélix, Lemos, Alpes, Quilombo dos Machado, e Quilombo Flores. Em tempos de retrocesso e com o anúncio do presidente Bolsonaro, que disse que se depender dele, não haverá demarcação para indígenas e quilombolas , os Silva lutam para que outros quilombos tenham seus direitos reconhecidos. “A luta é por todos os quilombos. Para tu ver como é difícil, tem um quilombo, em Gravataí, que a General Motors (GM) está dentro, eles ocuparam e construíram em cima, e o quilombo não consegue reaver as terras. Com esse governo está ficando mais difícil, se não fosse o presidente Lula ter assinado o título àquela noite não estaríamos mais aqui, porque onde estamos é o metro quadrado mais caro de Porto Alegre”, expõe Ligia. Para ela, quanto mais apoio a luta recebe, mais oportunidades se terá para as políticas públicas avançarem.

SAIBA MAIS.:  A pedido do MPF, Secretaria de Estado da Agricultura, Municípios e Comunidades tradicionais realizam cadastramento dos atingidos pelas manchas de óleo no litoral

Na comemoração de sábado, haverá a participação de quilombos da capital e movimentos sociais. A abertura será às 15h, com a Afoxé e Maculelê do Quilombo dos Machado, em uma homenagem e referência aos Ancestrais. Em seguida, tem a exibição do filme “O Quilombo da Família Silva”. Às 16h, acontece um debate sobre a territorialidade negra e a disputa da cidade. A partir das 18h, terá galeto com roda de samba e capoeira.

Clique para saber mais sobre o quilombo

* colaboração de Marcelo Ferreira

Edição: Marcelo Ferreira

Deixe uma resposta