Rede de Mulheres que impulsionam empreendedorismo materno é uma das 100 comunidades com maior impacto social

Juliana Barbosa Santos, com a filha
Foto – 
Valter Campanato/Agência Brasil

 Por Mônica Aguiar 

Foi neste domingo, dia 04, que aconteceu a terceira edição da Feira Maternativa, com tema #compredasmães

 “As mães Movem o Mundo e Nós Acreditamos Nesta Força”, no Espaço Cultural Renato Russo, em Brasília(DF).   


O projeto da rede Maternativa já passou por Recife (PE) e São Paulo (SP), com workshops e palestras gratuitas para as mães empreendedoras. Mostra e vendas de produtos produzidos por Mulheres, primeira startup (pequena empresa focada em tecnologia para novos modelos de negócios) de impacto social voltada ao empreendedorismo materno no Brasil,  Vem buscando engajar a iniciativa privada no processo de transformação do mercado de trabalho para as mulheres e na redução da penalidade materna.

Em entrevista com a Agência Brasil,  Vivian Abukater sócia da Maternativa,  explicou que a ideia é promover em Brasília esse pensamento, de fortalecer essa economia e ajudar as mulheres mães a encontrar independência financeira” .

Precisamos mostrar para a sociedade que mulheres mães estão à frente dos mais diversos tipos de negócios e que quando você direciona sua compra para uma mãe empreendedora, você está fomentando uma economia extremamente colaborativa”, explicou .

Vivian também citou pesquisa da Fundação Getúlio Vargas que mostra que 48% das mulheres deixa o mercado de trabalho antes de o filho completar um ano de idade. Por outro lado, pesquisa da Rede Mulher Empreendedora aponta que 75% das mulheres que empreendem fazem isso depois que os filhos chegam.

As organizadoras da rede prestam consultoria, palestra e desenvolvem conteúdo para marcas e empresas.

De acordo com Vivan, cada vez mais estão surgindo comitês de igualdade e gênero dentro das empresas, onde o mercado começa a discutir a questão da penalidade materna, da barreira que as mães têm para crescer profissionalmente e ocupar cargos de liderança. 
A sócia da Maternativa destaca, entretanto, que, quando se torna mãe, a mulher fortalece várias habilidades.
A mulher se torna altamente focada, ela vira detector de bobagem, tudo que não é importante ela tira da frente e foca no que é importante”, explicou. A capacidade de liderar e trabalhar em equipe, a autonomia, proatividade e empatia com as equipes são outras habilidades que as mães levam para o seu ambiente de trabalho.
A REDE 

A rede foi fundada em 2015, por duas amigas começaram a enfrentar dificuldade, já durante a gestação, em relação ao mercado de trabalho. 
Elas, então, organizaram um grupo na rede social Facebook para trocar experiências sobre o assunto. Em um mês reuniram 600 mulheres. 
Hoje são 24 mil.

No grupo, as mulheres trocam informações sobre empreendedorismo materno e como é possível se manter ativa no mercado de trabalho conciliando maternidade e carreira.
O propósito é dar visibilidade às empresas maternas, fomentar o consumo de seus produtos e estimular uma economia criativa, colaborativa e consciente, que se retroalimenta dentro de um ecossistema empreendedor, favorecendo o empoderamento financeiro de mulheres-mães.

No início deste ano, a Maternativa ganhou um prêmio do Facebook como uma das 100 comunidades com maior impacto social do mundo.

Fonte: Agência Brasil /RME

por Mônica Aguiar

Deixe uma resposta