“Vitimismo”, “coitadismo”, “mi mi mi”: vamos falar de privilégios?

Deixe uma resposta